Test Drive

Honda Fit, o xodó

O queridinho da marca quer entrar na briga com Argo e Polo pelo público que busca inovação, mas cobra caro pelo EXL: R$ 81 mil

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 11/12/2017 10:13

Linhas dianteiras ficaram mais modernas e deram ar de esportividade ao visual do hatch - Bruno Vasconcelos / DP Linhas dianteiras ficaram mais modernas e deram ar de esportividade ao visual do hatch
O segmento dos hatches compactos foi um dos que mais sentiu os efeitos da crise econômica do país. Posicionados entre os modelos de entradas (Onix, Gol e HB20) e os médios (Golf, 308 e i30), os compactos precisaram se renovar para não caírem no esquecimento dos consumidores. Maiores exemplos dessa revolução do setor são o Polo, da Volks, e o Argo, da Fiat. Os dois hatches inauguraram um novo patamar de tecnologia a bordo e de segurança aos passageiros sem elevar o nível do preço do segmento.

Até mesmo o carro que é considerado um xodó nacional e que nunca havia sofrido com as variações econômicas precisou mudar para se manter no coração de seus fãs. O Honda Fit é um daqueles carros que, quem tem, não fala mal, recomenda e dificilmente o trocará por outro modelo. Algo parecido com o efeito do Toyota Corolla sobre seus clientes.

Traseira segue sóbria, sem muitas modificações - Bruno Vasconcelos / DP Traseira segue sóbria, sem muitas modificações
Mas o tempo exigiu que o Fit se modernizasse e perdesse um pouco do jeitão de monovolume familiar que tanto agradou o público feminino. O último facelift do Honda não trouxe nenhuma revolução, é verdade. Mas foi suficiente para que o modelo atingisse um novo público: o “jovem” na faixa dos 30 e poucos anos que quer saltar dos compactos de entrada, almeja um toque de esportividade, mas que não pode pagar por um hatch médio, como Golf ou Cruze Sport6. É o mesmo cliente que Fiat e Volks estão disputando aos “tapas” com o Argo e Polo.

Passamos cerca de uma semana com a versão topo de linha EXL e notamos que, na cidade, o Fit ainda faz alguns pescoços virarem. O novo conjunto ótico em full led com faróis mais finos que se juntam à grade frontal é o responsável por esses olhares. A traseira segue um tanto conservadora, com as lanternas gigantes no melhor estilo Volvo.

Interior deixa a desejar em alguns aspectos, como a falta de sensor de chuva e de faróis automáticos - Bruno Vasconcelos / DP Interior deixa a desejar em alguns aspectos, como a falta de sensor de chuva e de faróis automáticos
O interior do Fit mostra que ser xodó tem suas vantagens. Enquanto Fiat e Volks gastaram fortunas para dar à cabine de seus hatches ares de nave espacial, a Honda segue uma linha mais conservadora (mais barata), sem exageros, mas que não chega a ser espartana. Está tudo lá: central multimídia, computador de bordo e ar-condicionado digital. Só que nada de outro mundo. Fazem muita falta em um carro de mais de R$ 80 mil sensores de chuva e crepuscular. Os rivais têm.

O desempenho do Fit não mudou. Segue com o acertado motor 1.5 de até 116 cv de potência muito bem casado com o câmbio CVT. Assim como suas linhas internas, o conjunto mecânico é eficiente, mas não empolga. Nem mesmo as alavancas do paddle shift para troca de marchas atrás do volante são capazes de dar esportividade ao modelo. Ponto positivo é o consumo, que na cidade ficou em 11,2 km/l e na estrada em 12,8 km/l, sempre com etanol.
O Fit segue um bom carro e sempre terá seu público garantido. Não deverá sofrer perdas com as novidades da Fiat e da Volks, mas foi bom ter se mexido para mostrar que está atento às novidades do setor.

 

Encontre seu veículo

Veículos

Últimas notícias

ver todas
16 de outubro de 2018
15 de outubro de 2018