Parecer

Avaliamos HRV 2017 enquanto o novo não chega por aqui

Automóvel já foi o mais vendido do mercado no seu segmento, mas em 2018 perdeu o posto. A expectativa para a nova geração é grande

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 17/09/2018 08:43 Thainá Nogueira /Diario de Pernambuco


Estados Unidos e Japão já contam com uma atualização de meia vida do HRV. Mas enquanto o novo não chega por aqui, avaliamos hoje para vocês a versão 2017, a atual do mercado brasileiro, do carro que é um dos que menos desvalorizam no país.
Visual do utilitário é um dos diferenciais para a sua fama, mas pede um facelift. Foto: Thainá Nogueira/Esp. DP - Thainá Nogueira/Esp. DP Visual do utilitário é um dos diferenciais para a sua fama, mas pede um facelift. Foto: Thainá Nogueira/Esp. DP

Inclusive, é um pouco difícil entender como um veículo que bate os R$ 100 mil na versão mais completa consegue ser revendido com um valor bem perto disso. A explicação está no conforto e na motorização. O carro conta com um propulsor 1.8 de até 140 cv e é saudável para uso na cidade e pequenas viagens.  Ainda casa bem com o câmbio CVT, muito bem acertado e que simula sete marchas trocáveis por borboletas atrás do volante. O consumo é otimista e fica na casa dos 11 km/l na cidade com gasolina.
 
Dentro da cabine, conforto. O veículo transporta de forma tranquila cinco pessoas. A posição de dirigir é elevada. No entanto, a central multimidia, que é a mesma presente no novo Civic, não apresenta um botão físico para ligar e desligar ou para mudar o volume, o que pode ser incômodo para os avessos à tecnologia. O painel do carro não é digital.
 
O que mais chama atenção no HR-V é o torque. O automóvel tem uma arrancada boa, graças aos 17,3 kgfm. A tração é dianteira e as rodas são de liga leve aro 17.  Além disso, o carro conta de série com direção com assistência elétrica progressiva (EPS). Ele é completo. Pode-se afirmar também que o grande destaque do HR-V, além do visual arrojado, é o volume do porta-malas. A Honda diz que são 437 litros de espaço. O que não é nada mau e deixa o carro com o título de maior porta-malas na sua categoria.
 
Os três anos de garantia sem limite de quilometragem  que a montadora oferece no SUV ainda são um diferencial entre ele e os concorrentes. E por falar em concorrência, a versão topo de linha do HR-V briga diretamente com o Jeep Renegade Limited 1.8 flex, cujo preço chega a R$ 102.240 quando equipado com o pacote opcional de seis airbags (são apenas dois de série).
 
Pesa a favor do Honda a fama do pós-venda, o custo de manutenção mais baixo e a pouca desvalorização. Inclusive, o segmento de utilitários esportivos compactos há muito foi liderado por esse SUV de aparência que agrada gregos e troianos. No entanto, a demora de trazer um facelift para o Brasil fez com que em 2018 ele não ocupasse mais o ranking do carro mais vendido no seu segmento e abriu espaço para Tracker, Creta e Kicks, que mesmo em suas configurações mais completas, não ultrapassam a barreira dos R$ 100 mil, e muitas vezes oferecem mais equipamentos. É chegada a hora da atualização e tornar o que é bom e satisfatório, ainda melhor. Esperar para ver o que virá nessa grande novela que é o mercado de SUVs.

Tags: nissan x-trail 4dogs pets cães carros cachorros pedro cerqueira vrum

Encontre seu veículo

Veículos

Últimas notícias

ver todas
19 de janeiro de 2019
18 de janeiro de 2019
17 de janeiro de 2019