Dia das Mães

Mãe no volante é sinônimo de cuidado e segurança

Acelerar na companhia dos filhos nem sempre é sinônimo de diversão para motoristas atribuladas, mas tem como melhorar isso

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 10/05/2016 13:33 Débora Eloy

Entenda: andar com crianças dentro do carro sempre requer uma maior atenção, seja pela segurança ou para entreter o pequeno durante o percurso, já que criança tem energia de sobra pra desperdiçar dentro das quatro ou duas portas. Por isso vale tudo, desde ligar o ar-condicionado até DVDs portáteis para eles curtirem seus desenhos favoritos. E para proteger a criança, o item de segurança principal dentro dos veículos é a cadeirinha (ou bebê conforto, assento elevado, dependendo da idade). Sem falar na novidade que parece ainda não ter ganho popularidade por aqui, o Isofix. Essa ferramenta foi desenvolvida para aumentar a fixação da cadeirinha ao carro, melhorando a segurança. Mas como saber qual o equipamento apropriado? E, principalmente, se o suporte de segurança infantil está instalado corretamente?

 

 

Miguel, de quatro anos, e Alice, de dois, utilizam a cadeirinha com cinto de três pontos - Malu Cavalcanti/ Esp. DP Miguel, de quatro anos, e Alice, de dois, utilizam a cadeirinha com cinto de três pontos

 

De acordo com o Conselho Nacional de Trânsito (Contran), existe uma regra para a utilização dos adaptadores para crianças: bebê conforto deve ser usado por recém-nascidos de até um ano; cadeirinha de um a quatro anos; assentos elevados para crianças de quatro a sete anos e meio; crianças entre sete e dez anos, acima de 1,45 metro, devem ser transportadas no banco traseiro com uso do cinto de segurança.
Já o Inmetro, responsável por classificar esses equipamentos, dividiu os produtos de acordo com peso, altura e idade, em quatro grupos diferentes: grupo 0: crianças de até 10kg, 0,72 m de altura, 9 meses; grupo 0+: até 13 kg, 0,8 m de altura, 12 meses; grupo 1: de 9 kg a 18 kg, um metro de altura, 32 meses; grupo 2: de 15 kg a 25 kg, 1,15 m de altura, 60 meses; grupo 3: de 22kg a 36kg, 1,3 m de altura, 90 meses.
O Isofix é a novidade que vem para melhorar a segurança das crianças no carro. Ele é um sistema de fixação na instalação de dispositivos de retenção de crianças (cadeirinha, bebê conforto ou assentos elevados).  Esse procedimento é feito através do encaixe de garras localizadas na base das cadeirinhas , fixado em terminais de engates soldados na carroceria do veículo entre o assento e o encosto nos bancos traseiros, mas nem todos os modelos ainda possuem esse sistema. Portanto, para garantir a segurança do seu filho, na hora de comprar o carro novo, verifique se ele já vem com o sistema. Para identificar é bem simples, basta checar se no vão entre o encosto e o assento do banco traseiro existe um espaço para encaixar os engates das cadeirinhas.

 

João Enrico fica atrás do banco do motorista, lugar que a mãe considera mais seguro em caso de acidentes - Malu Cavalcanti/ Esp. DP João Enrico fica atrás do banco do motorista, lugar que a mãe considera mais seguro em caso de acidentes
 

 

Elas cuidam
A pediatra Taciana Campelo tem dois filhos, Miguel, 4 anos, e Alice, 2. No banco de trás tem duas cadeirinhas com cinto de três pontos, uma para cada um. “Eu e meu marido temos o mesmo modelo de carro, porém só o dele possui o Isofix. Mas, para a segurança dos meus filhos, utilizo cadeirinhas com cinto de três pontos nos dois carros, mesmo com a ferramenta”, explica.
Mas além do item de segurança para as crianças, toda mãe procura sempre a melhor forma de proteger seu filho, como é o caso da assistente social, Keyla Nova Bragança. Proprietária de um Crossfox 2012, ela. Além da cadeirinha, toma o cuidado de deixar o filho, João Enrico, 6 anos, no banco atrás do motorista (lado esquerdo). “Porque se houver algum acidente, eu posso tentar manobrar e livrar o lado esquerdo do carro”, conta Keyla.

 

Aparelhos eletrônicos, música, celular e até mesmo ar-condicionado. Vale tudo para acalmar as crianças - Malu Cavalcanti/ Esp. DP Aparelhos eletrônicos, música, celular e até mesmo ar-condicionado. Vale tudo para acalmar as crianças
 

 

Diversão Na Pista
Se, em pequenos trechos, o transporte de criança já é difícil, em viagens pode ser um problema. Ficar muito tempo em local fechado sem aprontar é um desafio da mãe que anda com o filho dentro do carro. Alguns utilitários podem facilitar na hora de acalmar os pequenos. DVDs portáteis, brincadeiras criativas e músicas são algumas saídas para resolver o problema. A funcionária pública Janayna Cavalcanti geralmente utiliza a tela multimídia do carro para distrair a filha Alice, de três anos. “Quando as viagens são curtas, ela se inclina um pouco e consegue acompanhar o que passa aqui na frente. Mas quando é mais longa, eu coloco o DVD portátil só para ela”, explica.
Já Taciana aposta nos aparelhos eletrônicos e nas músicas para divertir a criançada. “Música ajuda muito, mas quando nem isso funciona, eles jogam no celular e no tablet para passar o tempo mais rápido”. Mas a rota na estrada nem sempre é motivo de estresse. “Na maioria das vezes, eu só ligo o ar-condicionado e coloco uma música que eles gostam e a gente chega no destino com os dois dormindo”, revela Taciana. Já no Crossfox de Keyla, quem comanda a central multimídia é João. “Eu sempre me enrolo na hora de colocar o DVD, por isso antes de sair com o carro, ele vem aqui para a frente, colocar o que quer e depois vai para a cadeirinha dele”, revela. Ou seja, um passeio com os filhos pode ser fácil e divertido, basta saber a melhor forma de protegê-los e entreter a viagem com bastante criatividade.

 

Com o carro parado comanda a tela multimídia do carro da mãe Keyla - Malu Cavalcanti/ Esp. DP Com o carro parado comanda a tela multimídia do carro da mãe Keyla

 

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
Encontre seu veículo
O ano inicial não pode ser maior que o ano final.
O preço inicial não pode ser maior que o preço final.

Refinar busca

Últimas notícias

ver todas
24 de julho de 2017
22 de julho de 2017
21 de julho de 2017