Mercado

BMW M1: há quatro décadas, o automóvel chegava para marcar a indústria automobilística

Lançado em 1978, o cupê tornou-se ícone e inspiração a outros modelos esportivos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 29/08/2018 17:40

Se você é da década de setenta, talvez já tenha ouvido falar no superesportivo
alemão BMW M1. Lançado em 1978, o cupê icônico de linhas italianas acaba de
completar 40 anos. Com um potente e ostensivo motor 3.5 de seis cilindros em linha, 24 válvulas, capacidade de gerar 277 cavalos de potência e torque máximo de 330 Nm, marcou sua época e a indústria automobilística.

De início, o projeto do BMW M1 tinha a intenção de usar o carro no Campeonato
Alemão de Automobilismo, mas seu longo período de desenvolvimento e mudança de regulamento na categoria o impediram de participar do evento e o fizeram estrear nas pistas apenas no Campeonato BMW M1 Procar, categoria criada pela própria BMW. As corridas eram disputadas como prova preliminar das etapas europeias da Fórmula 1 alcançando grande sucesso de público.

De forma artesanal, ao todo 460 unidades foram produzidas entre os anos de 1978 e 1981. O modelo foi o primeiro concebido pela BMW Motorsport GmbH e tornou-se inspiração à divisão M, responsável pelos modelos esportivos do BMW Group. Suas linhas marcantes traçadas pelo designer italiano Giorgio Giugiaro remontam ao carro-conceito BMW Turbo, projetado pelo francês Paul Bracq, e combinam a esportividade à estética. Seus faróis escamoteáveis atrelados às saídas de ar pretas na parte posterior da carroceria e a releitura da grade frontal em duplo rim da marca comprovam isso. Uma versão da BMW M1 Procar virou destaque nas artes, após apresentar um design exterior assinado pelo artista americano Andy Warhol, considerado o pai da Pop Art. A unidade decorada pelo artista chegou a disputar as 24 Horas de Le Mans de 1979.

Com baixa altura de apenas 1,14 m, a aerodinâmica do BMW M1 era bem
favorecida, permitindo o carro obter um baixo centro de gravidade e atingir  velocidade máxima de 265 km/h - sendo o esportivo alemão mais rápido da época. Seu peso de apenas 1.300 quilos, combinado à distribuição de peso entre os dois eixos (50:50) por meio da posição central do motor, elevou o cupê a excelentes características de dirigibilidade.

 

BMW/Divulgacao
 

 

Por falar no motor, ele alcançou sucesso durante muito tempo. No início dos anos
1980, serviu de base para os motores usados no BMW M635i e no primeiro BMW
M5. O bloco à gasolina conseguia extrair potência de 3,5 litros de deslocamento.
Suas quatro válvulas por cilindro estavam muito à frente de seu tempo, funcionando m conjunto com uma injeção mecânica.

A versão de corrida (Procar) do BMW M1 era diferente e ainda mais potente ao
modelo de rua. O motor era baseado na versão de produção, mas com 470 cavalos e potência. O M1 Procar ia de zero a 100 km/h em 4,5 segundos, podendo atingir elocidades de até 310 km/h. Mais tarde, quando o M1 foi desenvolvido de acordo om o regulamento do Grupo 5 (carros de turismo especiais), o motor à gasolina, de seis cilindros em linha ganhou turbo, proporcionando potências entre 850 cv e 950 cv. Esta versão também contava com grande spoiler traseiro, spoiler dianteiro modificado e para-lamas alargados.

Encontrar hoje uma BMW M1 à venda não é lá uma tarefa tão simples, devido a
quantidade de unidades fabricadas. Para se ter na garagem um carro como esse em boas condições, é preciso desembolsar algo mais de 500 mil dólares.

 

 

Encontre seu veículo

Veículos

Últimas notícias

ver todas
19 de setembro de 2018
18 de setembro de 2018
17 de setembro de 2018