Energia Limpa

Célula de combustível de etanol é aposta da Nissan

Carros limpos estão cada vez mais nas pistas, e investir neles é uma preocupação das montadoras

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 16/06/2016 17:30 / atualizado em 06/02/2017 14:32 Débora Eloy

A Nissan Motor informou que está em processo de desenvolvimento de uma nova tecnologia capaz de oferecer energia derivada do etanol, através de célula de combustível, para os carros. Esta iniciativa da montadora é inédia no mundo automotivo e a proposta é lançá-la antes das Olimpíadas de Tóquio, em 2020.

De acordo com a montadora japonesa, essa tecnologia experimental irá permitir aos veículos percorerrem mais de 600 km com um único abastecimento, parecido com os modelos movidos à gasolina. A célula de combustível combina hidrogênio e oxigênio em uma reação eletroquímica, produzindo eletricidade.

 

Tecnologia é inédita no mundo automobilístico - Nissan / Divulgação Tecnologia é inédita no mundo automobilístico
 

 

Em nota, a Nissan afirmou que irá usar bioetanol, um processo que retira etanol da cana-de-açúcar e milho, como origem para o hidrogênio, em um aumento da sua estratégia de carros limpos, focada principalmente em veículos elétricos.

A fabricante informou ainda que o sistema será mais barato em relação as opções do concorrentes, isso porque irá evitar o alto custo de construir postos de abastecimento, e que não vai precisar de tanques de hidrogênio volumosos para armazenamento dentro do veículo.

O primeiro carro movido por célula de combustível destinado à um público grande foi lançado pela Toyota em 2014 no Japão, o Mirai. Enquanto o Clarity, modelo rival, foi lançado pela Honda e utiliza a mesma tecnologia. A Nissan afirmou que sua novidade será disponibilizada, primeiro para empresas e governos locais até 2020, antes de começar a comercialização para um público mais amplo.

 

 

Tags: brasil

Encontre seu veículo
O ano inicial não pode ser maior que o ano final.
O preço inicial não pode ser maior que o preço final.

Refinar busca

Últimas notícias

ver todas
21 de julho de 2017
20 de julho de 2017