Test-drive

Jetta TSI: Tiozão na balada

Por trás de um estilo careta, a nova linha do carro esconde um esportivo de mecânica empolgante

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 26/10/2015 13:11 Bruno Vasconcelos


Ninguém tem mais dúvida de que a união das tecnologias da injeção direta de combustível e do turbo vieram para ficar. Graças a esse casamento foi possível reduzir o tamanho dos motores (downsizing) e o consumo de combustível sem que o automóvel perdesse potência - há ganho de força e energia na maioria dos casos. Apesar de ainda ser uma saída cara para a busca da eficiência, com ela é possível transformar carros do dia a dia, como hatchs compactos e sedãs, em máquinas capazes de empolgar o motorista que gosta de pisar mais forte no pedal à direita.

Nova geração ganhou leds de iluminação diurna, o que deixou o Nova geração ganhou leds de iluminação diurna, o que deixou o "tiozão" mais jovial


Um bom exemplo do uso transformador dessa tecnologia é feito no Brasil pela Volkswagen. A marca alemão conseguiu fazer do compacto up!, que originalmente saía de fábrica com 80 cv no pequeno motor 1.0 de três cilindros, em um subcompacto apaixonante na versão equipada com o motor TSI de 105. Além de superágil, o modelo também é muito econômico - como pudemos testar há alguns dias, quando o carro fez quase 300 km na estrada com pouco mais de meio tanque de etanol.

Já no caso do Jetta, sedã médio da marca, a tecnologia TSI tem um efeito ainda mais marcante. Nas versões de entrada do três volumes, o velho conhecido dos brasileiros motor 2.0 de apenas 120 cavalos está longe de ser empolgante ou eficiente. Mas já na versão Highline, com o propulsor TSI de 211e câmbio automatizado de dupla embreagem e seis velocidades (DSG), a história é outra.

A traseira segue sóbria e reserva um grande porta-malas (510 litros) - Paulo Paiva/DP/D.A Press A traseira segue sóbria e reserva um grande porta-malas (510 litros)


O estilo "tiozão" segue o mesmo que a montadora preserva, apesar do recente facelift realizado no sedã. E isso não é uma crítica. O que a Volks espera ao manter as linhas sóbrias do Jetta é oferecer uma alternativa para quem não curte a onda lançada pelos sul-coreanos da Hyundai e que rapidamente virou tendência no segmento: vincos fortes por todos os lados, lanternas e faróis finos, além de curvas acentudas.

Fantasia que cobra caro
O Jetta TSI é "lobo em pele de cordeiro". É um corredor velocista usando terno. E, principalmente, é um esportivo disfarçado de sedã familiar. Mas tudo isso você só poderá notar após apertar o botão start para fazer despertar o “monstro” que se esconde sob o capô. Nem é preciso colocar a alavanca do câmbio no modo S (sport). Já no modo D (drive) é possível sentir a força dos 211 cv de potência e 28,6 kgfm de torque disponíveis nas primeiras rotações do motor.

 

Interior tem linhas mais modernas que o exterior - Ricardo Hirae/Divulgacao Interior tem linhas mais modernas que o exterior
 

 

As arrancadas do novo Jetta TSI se assemelham muito com as saídas do Golf GTI, que usa o mesmo conjunto mecânico – apesar de o hatch medío entregar 220 cv de potência e pesar cerca de 60 kg a menos que o sedã. A sensação de ser jogado contra o banco em uma aceleração mais ousada é igualmente divertida no Jetta.


 Só que tanta diversão tem um preço. No caso do Jetta, além dos R$ 111.380 cobrados pela Volks na versão que testamos (topo de linha com teto solar e pacote premimum), você terá que se preparar para fazer muitas visitas ao posto de gasolina. No período que testamos o modelo, o consumo médio na cidade foi de 18,3 litros por 100 km (5,4 km/litro), número alto para o preço atual do derivado do petróleo. Lembrando que o Jetta TSI ainda não é flex. Já na estrada o esportivo foi menos sedento e teve um consumo médio de 8,9 litros por 100 km, o que equivale a 11,2 km/litro.


Para quem paga mais de R$ 100 mil em um carro, o gasto com gasolina não é fator predominante (longe disso) na hora da compra do automóvel. Sendo assim, se você procura um esportivo, mas precisa de um gigantesco porta-malas e não busca um design futurista, já sabe qual será seu próximo carro.

Na sua casa por:
Jetta Highline TSI
A partir de R$ 96.900
Versão testada: R$ 111.380

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
Encontre seu veículo
O ano inicial não pode ser maior que o ano final.
O preço inicial não pode ser maior que o preço final.

Refinar busca

Últimas notícias

ver todas
21 de setembro de 2017