Up! TSI Flex

Alguns degraus acima

Tecnologia TSI dá ao subcompacto da Volks status de %u201Ccarrão%u201D com consumo de um híbrido

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 28/09/2015 14:14 Bruno Vasconcelos

Quem tem carro de mil cilindradas sabe bem que algumas situações do dia a dia devem ser evitadas para não criar um certo constrangimento, como subir uma ladeira muito íngrime com quatro pessoas a bordo e com o ar-condicionado ligado. Na maioria dos modelos à venda no país, seria necessário engatar a primeira marcha e rezar um Pai Nosso enquanto o pequeno motor grita para cumprir sua missão.

 

Versão topo de linha tem detalhes em azul, como os retrovisores - Bruno Vasconcelos/DP/D.A Press Versão topo de linha tem detalhes em azul, como os retrovisores
 

 

Os modelos de entrada com propulsor 1.0 são atrativos porque, além de baratos (têm menor carga tributária), são econômicos no consumo de combustível. Essa eficiência energética é a principal “desculpa” que muitas pessoas dão para ter um “carro mil” na garagem. Entretanto, o ideal seria ter um carango com desempenho de 1.6 (ou superior) e um consumo de 1.0 (ou inferior).


É isso que a Volkswagen conseguiu reunir no up! com motorização TSI. A tecnologia alemã já é conhecida em outros modelos vendidos por aqui, como Tiguan, Jetta, Passat e Golf. Trata-se da união abençoada entre a injeção direta de combustível e o turbo. Tal duplinha gera cerca de 25 cavalos a mais para o já eficiente mortor de três cilindros.  

 

Essa potência extra é exatamente o que falta para os demais 1.0. Com os cavalinhos a mais é possível ligar o ar-condicionado no nível mais forte e não sentir diferença alguma no desempenho do carro. Algo assim só era possível em carros de cilindradas bem maiores, como 1.8 ou 2.0 (aspirados).

 

Outra coisa bastante notória aparece durante uma retomada. No TSI, é possível ultrapassar estando com a quinta marcha engatada sem qualquer receio. A última marcha do prático câmbio manual, aliás, é bem alongada e consegue entregar potência suficiente para subir ladeiras que outros fariam em quarta ou até em terceira.

 

Para diferenciar dos irmãos aspirados, o TSI tem a tampa do porta-malas preta - Bruno Vasconcelos/DP/D.A Press Para diferenciar dos irmãos aspirados, o TSI tem a tampa do porta-malas preta
 

 

Foguetinho híbrido na estrada

 

Testamos a versão Speed up! do compacto da Volks na estrada em um trecho de quase 300 km entre Recife e Natal (RN). Como estávamos rodando na cidade com gasolina e conseguindo uma média de 13,3 km/l – o que para o trânsito urbano é muito bom -, resolvemos secar o tanque e completar apenas com etanol, para ver como era o desempenho dos 105 cv conseguidos apenas com esse combustível. A ideia inicial não era avaliar o consumo, mas sim saber como se comportava a motorização, seu desempenho, ruído e desenvoltura no asfalto sem qualquer vestígio de trânsito (a viagem foi feita durante a madrugada).

 

Se com gasolina o TSI já empolgava – mesmo que de leve -, com o tanque cheio de etanol a brincadeira ficou ainda melhor. O menor toque no acelerador garantia uma saída veloz, com aquele tranco que te empurra em direção ao banco, como acontece em modelos esportivos.

 

Os limites de velocidade da BR 101 não nos permitia (quase nunca) chegar perto dos 184 km/h de velocidade máxima. Mas era possível simular algumas acelerações de 0 a 100 km/h, que segundo a fabricante é feita em apenas 9,1 segundos.

 

As grandes subidas existentes no percurso – principalmente no trecho que corta a Paraíba – foram facilmente vencidas pelo pequeno germânico. Não fossem alguns “obstáculos” que obrigam a reduzir bem a velocidade, como lombadas e postos da Polícia Rodoviária Federal, a impressão que deu era que seria possível ir do Recife até a capital potiguar em quinta marcha.

 

Mas isso não foi o que mais impressionou em nosso teste. Mesmo com o “pé em baixo” o tempo todo e com o ar-condicionado ligado, o Speed up! cumpriu a viagem consumindo cerca de 5/8 do tanque. Isso mesmo, pouco mais de meio tanque de etanol para rodar 292 km. Levando em consideração que gastamos R$ 110 para abastecer (R$ 2,29 o litro), podemos dizer que fizemos a viagem com cerca de R$ 60. Isso é algo que só imaginava conseguir com um carro híbrido.

Up! TSI Flex
Move up! R$ 43.990 (a partir)
Versão testada Speed up! - R$ 49.990 + maps&more = R$ 51.507

Tags: alemanha

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
Encontre seu veículo
O ano inicial não pode ser maior que o ano final.
O preço inicial não pode ser maior que o preço final.

Refinar busca

Últimas notícias

ver todas
28 de março de 2017